Juliana pede maior atenção para crianças com Transtornos do Espectro Autista


espectro-autista

Para tal feito, a Vereadora propõe que seja criada a Política de Atendimento Integrado à pessoa com Transtornos do Espectro Autista do município de Nova Independência, e a implantação do Programa Municipal de Atendimento Multidisciplinar para autistas.
A Vereadora Juliana Duarte, apresentou na sessão desta quarta-feira (08), uma indicação solicitando que a Administração Municipal tenha uma atenção e trabalho maior junto as crianças do município diagnosticadas com Transtornos do Espectro Autista (TEA).
Em sua justificativa Juliana mencionou as dificuldades enfrentadas pelas crianças e também pelos pais, além da importância da ação do poder público nesses casos.
“Considerando, ser de nosso conhecimento que, no município há vários casos de crianças portadores do Transtorno Espectro Autista (TEA), e que não tem atendimento adequado, que é um grande desafio.
Considerando que esse quadro apresenta sintomas físicos, psicológicos e comportamentais, o autismo interfere nas habilidades de comunicação, de aprendizagem e sociais.
Considerando que essas crianças precisam de atendimento multidisciplinar, envolvendo profissionais especializados, tais como psiquiatra, neurologista, psicólogo, psicopedagogo, fonoaudiólogo, fisioterapeuta e terapeuta ocupacional.
Considerando que a presente indicação tem como objetivo motivar o poder executivo na elaboração do projeto de lei que assegure a plena efetivação dos direitos e garantias fundamentais, instituindo a Política de Atendimento Integrado à pessoa com Transtornos do Espectro Autista do município de Nova Independência, e o Programa Municipal de Atendimento Multidisciplinar para Autistas.
INDICO, que seja estudado pelo chefe do poder executivo a possiblidade de instituir a Política de Atendimento Integrado à pessoa com Transtornos do Espectro Autista do município de Nova Independência, e a implantação do Programa Municipal de Atendimento Multidisciplinar para autistas”
Para concluir a Vereadora se colocou à disposição para buscar possíveis recursos, caso o município não tenha.
“Se caso, o município não tiver condições financeiras, para criar o programa municipal, com todos os profissionais especializados para o atendimento de excelência, buscar através de instituições que prestam assistência para crianças, adolescentes autistas, firmar um convênio, cujo objetivo é proporcionar atendimento terapêutico e educacional especializado, em conformidade com as necessidades da pessoa com TEA, viabilizando sua integração na sociedade”.

Próximo Acampados pedem ajuda do legislativo para resolver problemas básicos como falta de água
This is the most recent story.